domingo, 24 de fevereiro de 2008

Brasil decepciona a ONU

Um fiasco em matéria de crescimento tecnológico foi o resultado apresentado pelo nosso país diante da OMPI, resultado esse que decepcionou muita gente e envergonha aos cidadãos brasileiros que esperavam uma melhor performance principalmente porque nos somos hoje uma das maiores economias do mundo e para que possamos nos manter nesse patamar precisamos de um desenvolvimento tecnológico cada vez mais presente e eficaz.

Para termos uma idéia do que foi a nossa participação só nos resta dizer que em 2007, das 156.100 patentes registradas pela OMPI (Organização Mundial de Propriedade intelectual), apenas 384 (0,25% da produção mundial) patentes eram brasileiras.

É bem verdade que melhoramos 4 posições no ranking dos paises que mais patentes apresentaram; estamos agora na 24ª posição entre os 138 paises membros do Tratado de Cooperação de Patentes, mas a distancia que nos separa dos primeiros colocados é astronômica e isso nos mostra o quanto é longo o caminho que ainda teremos de percorrer.

Como sempre, nessa competição, os Estados Unidos da América apresentaram os melhores resultados com 52280 patentes em 156100 apresentadas, o que corresponde a 33,5% da produção mundial.

Por outro lado, uma simples conta nos mostra que a nossa produção foi de 0,7% do que produziu o primeiro colocado. Este pífio desempenho foi considerado decepcionante pela agência da ONU responsável pelo setor, a Ompi (Organização Mundial de Propriedade Intelectual). Do grupo Bric, como está sendo chamado o grupo composto por: Brasil, Rússia, Índia e China, paises apontados pelo Goldman Sachs como prováveis ascendentes ao grupo dos paises mais desenvolvidos dos próximos 50 anos, o Brasil ficou na lanterna.

"Diante do tamanho da economia brasileira, esperávamos um número maior", disse o vice-diretor-geral da Ompi Francis Gurry, responsável por monitorar o tratado. Para ele, o baixo número de patentes significa que o investimento em pesquisa e desenvolvimento no Brasil deixa a desejar, além de indicar um modelo econômico que ainda privilegia a exploração de matérias-primas e não o desenvolvimento de produtos manufaturados e tecnologia. Ele pensa isto, nos temos certeza.
Como se a nossa baixa produtividade não bastasse,ainda constatamos que das nossas 384 patentes 17 foram apresentadas pelo grupo americano Whiterpol fabricante de eletrodomésticos, que atua em nosso país e 9 foram registradas pela Carrier Corporation que também sediado no Brasil. Das 384 patentes com origem brasileira, só uma pequena parcela foi registrada por grandes empresas, informou ainda a porta-voz da organização, Catherine Jewell.

A OMPI constatou ainda que apesar da alta performance dos Estados Unidos da América, houve uma indicação clara que paises asiáticos, como Japão e China, estão avançando rapidamente.

A OMPI ainda fez questão de registrar as empresas que mais registraram patentes e que são: Primeiro lugar o conglomerado japonês Matsushita, com 2.100 registros. Em segundo lugar, estão respectivamente as companhias: a holandesa Philips com 2041 registros e a alemã Siemens, 1644 registros. Só a título de informação vemos que a produção brasileira foi de 18,38% da Matsushita, 18,8% da Philips e 23,4% da Siemens.

O quadro acima descrito o mostra o descaso das nossas autoridades com a educação e com a pesquisa, fato que implicará certamente numa dependência tecnológica altamente prejudicial ao desenvolvimento do país. Temos que gerir melhor e a destinar mais recursos para a educação, sob pena de permanecermos à beira da estrada vendo o trem do desenvolvimento passar.

“Um país se faz com pessoas e com livros”

P.S. A frase original é: "Um país se faz com homens e livros"
Eu preferi a que aí está.

2 comentários:

José Milbs disse...

Amigo e professor: O Claudio Upiano foi nosso redator e amigo. Se vc quiser escreva textos no nosso O REBATE que estamos as suas ordens. abs Milbs Lacerda editor

antonio gomes lacerda disse...

Amigo Milbs, fico muito lisonjeado com a sua visita ao nosso blog
(tambem é seu) vou escrever sim e gostaria de fazer um link com o seu
jornal e que voce tambem escrevesse materia para nos. As suas materias
sao quentissimas. Aguardo respostas. Qualquer hora a gente se esbarra
aí em Macaé! Abraços!